E Deus criou a mulher…

Bovary

Há uma crônica de Luis Fernando Veríssimo, em suas comédias da vida privada, que afirma que Deus, após ter criado os rios e mares, as matas e as montanhas, e daí ter passado aos animais, às aves e insetos, sentindo que algo faltava, pôs a cachola divina para funcionar, e caprichou tanto em sua nova criação que deu ao mundo a mulher.

A mulher de Vinícius, a doce namorada, amiga e companheira, que segue o caminho do poeta, ainda que o trajeto lhe seja triste, deu lugar a todas as mulheres do mundo de Domingos de Oliveira, representadas em Leila Diniz. A ternura da moça do calçadão está ali, mas há também o protagonismo – o caminho do mar é o dela, não do poeta –, a certeza de pensar e ser o que bem quiser.

Num artigo de anos atrás, Contardo Calligaris, em sua coluna na Folha de S. Paulo, colocou em questão nossa capacidade de mudança, lembrando que Emma Bovary teve o amor como operador moderno de sua transformação. Cito: “… sentia que ela era muito mais do que parecia pela rotina de sua vida. E seus sonhos de amor eram sonhos de experiência e aventura”. Bovary seria uma exceção entre nós, que desejamos mudar o emprego, a vida amorosa, ir morar na praia e “dar um chute no patrão” (“Senhor F”, Os Mutantes), mas ousamos tão-somente trocar a cor do carro, o caminho para o trabalho, se tanto. “O desejo só consegue se expressar por sobressaltos. É como se, contra o nosso desejo, tivéssemos erigido um dique inútil: a água irrompe, forte, pelas pequenas falhas, mas sua massa não se transforma em energia para inventar a vida”, conclui Calligaris.

Dessa incapacidade de mudar, minha impressão é de que as mulheres estão mais livres que os homens. Hoje há menos Bovarys, porque a mulher é muito menos condescendente com o que não lhe satisfaz. Se nem sempre sabe o quer, já sabe muito bem o que não quer. Diferente do abestalhado que lhe faz a corte.

* * *

Um beijo especial, neste Dia da Mulher, para a mais linda desse planeta, a minha (modo de falar, não ilusão de posse).

 

Enviar por E-mail

Sobre o autor:

4 comments on “E Deus criou a mulher…

  1. Como não ser sua se há dez anos leio estes textos apaixonantes? Acho que sei bem o que (ou quem) quero! S2
    Abraços e beijinhos, e carinhos sem ter fim…

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não serã publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>