Masca, Medeski, Martin & Wood

MMW

Paulo Mascarenhas foi baterista da minha primeira experiência frustrada de ter uma banda de rock, lá pelo fim dos anos 80. No trio que formava a base do grupo, eu era só empolgação no vocal e uns desatinos, enquanto Masca respondia pela porção jazz da banda, com seus improvisos bem colocados e batidas que fugiam da cadência quadrada do rock.

Amizade que sobreviveu ao fim da banda, Masca é protagonista de algumas das minhas lembranças musicais menos convencionais, como quando, numa noite bêbada do começo dos 90, convidou-se para uma jam não programada com o renomado saxofonista Hector Costita. Ou quando, numa festa na sede da somaterapia (experiência de terapia psicológica radical do Roberto Freire), invadiu o palco - em que duas artistas analisadas se apresentavam aos violões - e fez um inusitado solo de trompete… sem o instrumento. A plateia delirou, é claro, porque não poderia haver intervenção melhor, para aqueles que buscavam a verdade de seus corpos, que a de um Chet Baker usando tão-somente as mãos e a boca na expressão das melodias complexas de sua vida.

Fã das alquimias possíveis que só o jazz é capaz de comportar, Masca foi quem me abriu olhos e ouvidos para o som viajante e de difícil classificação do trio de vanguarda Medeski, Martin & Wood.

Nascido em Nova York, no começo dos anos 90, o trio explora as possibilidades que teclados (John Medeski), baixo acústico (Chris Wood) e bateria (Billy Martin) podem render em favor de uma comunicação tanto com fãs de jazz quanto com roqueiros e baladeiros de plantão – todos babando diante do groove magnético das teclas de Medeski. O som do trio pode agradar tanto a quem vai ao clube de jazz com a cabeça aberta a novidades quanto como som ambiente de uma competição de skate. Com um pé nas raízes, que vão de Thelonius Monk ao John Coltrane de A Love Supreme, os três absorvem e devolvem para as caixas acústicas muita influência do funk, do blues e do rock, em desempenhos cheios de energia.

Uma boa introdução para quem ainda não conhece o som do trio é a coletânea Last Chance to Dance Trance (perhaps), lançada aqui pela Trama e que enfoca os seis primeiros anos triunfais de Medeski, Martin & Wood. “Chubb Sub”, faixa que abre o CD, é jazz dançante, é funky e parece produzida por um DJ inspirado – mas são só os três falando uma língua universal, saborosa tanto para o ouvinte de Return to Forever (o melhor que o jazz-rock produziu) quanto para o frequentador de rave. “Bubblehouse” tem batida pesada, hard blues, que parece uma mistura de Herbie Hancock com os últimos Doors, de L.A. Woman. E “Hermeto’s Daydream” é a faixa em que o trio declara sua admiração pelas invenções do compositor Hermeto Pascoal, aquele que tira som de chaleira e de barriga de tatu. É uma faixa de muito improviso de piano, em que os três brincam à vontade num estilo bem jazz no limite; a imaginação gringa do que devem ser os devaneios do albino brasileiro.

Grande pedida para o fone de ouvido, o som de Medeski, Martin & Wood também funciona muito bem na pista de dança. É pau para toda obra.

* * *

Eu e Masca (o da direita) em nossa última ida a um bar juntos: o Kintaro, na Liberdade

Texto dos tempos de minha coluna de jazz, na Antena 1, agora lembrada como homenagem ao meu queridíssimo amigo Paulo Mascarenhas, que nos deixou este ano.

Enviar por E-mail

Sobre o autor:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não serã publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>